22.10.08

Até mais

Ela disse que precisava ir. Ele não acreditou e saiu. Ela arrumou as malas, dessa vez sem nó no peito. Não deixou nada para trás. Não queria voltar para casa de novo.

Ela trancou a porta e jogou a chave no jardim. Deve ter caído entre aquelas pedras, do lado da caixa de correio. Ela espera que ele procure por lá caso esqueça a dele quando voltar de onde estiver.

Talvez demore algumas semanas até que ele perceba que voz dele já não a fazia sorrir.


Ela tem a rua toda pela frente.



E ele?

Um comentário:

Juli Pires disse...

Depois eu que dou medo.
Um beijo e dois gays no navio pra ti (L) teamo